Endereço

Rua da Consolação, 374,

6º andar Consolação
São Paulo - SP Cep.:01302-000
CNPJ.: 65.718.751/0001-93
Código da Entidade Sindical: 000.000.900056-7

Tel:  (11) 3255-6151/3122-6151

Email: contato@sinbfir.org.br

Nos contate

O SINBFIR é o único representante legítimo
das Entidades, Beneficentes, Filantrópicas
e Religiosas do Estado de São Paulo. Caso 
Receba cobrança de outros Sindicatos. Por
Favor, avise-nos! Para que assim, possamos
tomar as devidas providências.

Cuidado com cobranças indevidas!

Please reload

Outros Textos

COMUNICADO ÀS ENTIDADES CONVENIADAS DE SP

O Presidente do Sinbfir informa que foi firmado em 24 de outubro de 2017 Acordo no TRT02 e que, diante de propostas do laboral superiores à realidade das Entidades representadas e intervenção do Poder Judiciário, deu-se a correção salarial de 2,80% retroativo à data base da categoria (01 de julho de 17) e, o benefício odontológico aos empregados interessados, rateado entre empregador e empregado, assim como a manutenção das cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho anterior.

Orientamos as Entidades que cumpram esta orientação, de acordo com legislação vigente.

Sinbfir.

 

O resultado da Assembleia dia 20 de julho de 2017:

 

TERMO DE COMPARECIMENTO EM ASSEMBLEIA ABERTA

EM 20/07/2017 ÀS 10:30 HS.

 

Aos 20 dias do mês de julho de 2017, à Rua da Consolação, nº 374, 10 andar, Vila Buarque, São Paulo - SP, às 10:30 horas, em segunda e última convocação, reuniram-se as Entidades Beneficentes, Filantrópicas e Religiosas que compõe o Sindicato das Instituições Beneficentes, Filantrópicas e Religiosas do Estado de São Paulo - SINBFIR, situadas na Cidade de São Paulo, Capital. A sessão foi aberta e presidida pelo Sr. Cassiano Ricardo, Presidente do Sindicato e convocou para fazer parte da mesa a Ora. Simone Cortez Bicudo Ferreira, OAB nº, 101.401, Advogada do SINBFIR. O Sr. Cassiano agradeceu os participantes e procedeu a leitura da ordem do dia cuja publicação feita no "Diário de São Paulo" de 10 de Julho de 2017 e em convocações encaminhadas às Entidades pertencentes à categoria, e cujo teor é o seguinte: a) Exame e Deliberação sobre a Convenção Coletiva de Trabalho 2017/2018-SITRAEMFA, b) Autorização para a Instalação do dissídio coletivo perante o Tribunal Regional do Trabalha caso seja necessário, c) Aprovação da Contribuição Negocial dos Empregadores". Somente terão direito de voto as Entidades que estiverem em dia com suas obrigações com este Sindicato. O Sr. Presidente desta Assembleia passou a examinar a pauta da ordem do dia e em seguida passou a palavra a Ora. Simone para exposição e esclarecimentos das reivindicações formuladas pelo SITRAEMFA. Sendo o assunto examinado e debatido entre os representantes das Entidades presentes, foi inicialmente aprovada a manutenção da Comissão de Representantes, em assuntos que digam respeito aos interesses da categoria patronal, composta pelas seguintes pessoas: Dulcinéia Pastrello; Daiane Santos Machado; Darcy Diago Finzetto; Izabel Aparecida Vito Lopes; Vânia Boccardo Moreno; Neusa Maria de Carvalho; Ester Cristina Eckil Cea. Passou-se então a palavra para a Ora. Simone que informou aos presentes que este ano seria ano de revisão de cláusulas econômicas e sociais e que as cláusulas sociais teriam vigência até 30/06/2019. Iniciou-se a leitura da pauta de reivindicação enviada pelo SITRAEMFA sendo em primeiro lugar debatido o reajuste salarial. Foi informado à assembleia que o pedido enviado pelo Sitraemfa era de 10% (dez por cento) retroativo à data base. Aberto para debates, a Ora. Simone informou que a comissão, em reunião com o Sindicato, sugeriu que fosse ofertado somente o INPC do período, no valor de 2,55 (dois vírgula cinquenta e cinco por cento), de forma linear. Após vários debates a respeito do tema, o Sr. Petty da entidade "Comunidade Assistencial Rainha dos Apóstolos”, fez a proposta de que as entidades ofertassem 0 (zero por cento) de reajuste salarial à categoria dos empregados, em virtude da dificuldade econômica que as entidades vem passando e da defasagem existente de anos anteriores; a Sra. Darcy da entidade "Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto" ponderou que não havia a possibilidade de se ofertar 0 (zero por cento), então sugeriu que Informasse ao SITRAEMFA que as entidades não tinham possibilidade de ofertar reajuste salarial até que tivessem o repasse do reajuste dos convênios por parte da Secretarias (Prefeitura Municipal). O Sr. Leonel, procurador de diversas entidades, fez a proposta de se ofertar o INPC às entidades. Colocado em votação, por unanimidade, resolveu a assembleia que seria informado ao SITRAEMFA que o reajuste salarial para os trabalhadores, bem como das demais cláusulas econômicas da convenção coletiva, no presente momento, seria de 0% (zero por cento), até que a Prefeitura de São Paulo efetuasse o repasse do reajuste dos convênios, uma vez que as entidades não possuíam condições de arcar com tais reajustes. A Ora. Simone então, leu para a assembleia as demais cláusulas sociais, Inclusive fez explicação detalhada do pedido do Sitraemfa em relação a benefícios, quais sejam: cesta básica, vale transporte, auxilio funeral, seguro de vida e ainda a inclusão do pagamento do adicional de insalubridade, informando que a comissão havia decidido no sentido de sugerir à assembleia que para a inclusão de benefícios se optasse pelos mais baratos e de forma alternativa, ou seja, a entidade deveria conceder um benefício a seus empregados, podendo escolher entre: cesta básica, ou • Após debates e explicações efetuadas pela Ora. Simone, pela assembleia foi decidido por unanimidade, que não teria condição de se aceitar a inclusão de um benefício na convenção coletiva de trabalho, nem o pagamento do adicional de insalubridade, uma vez que as entidades estão atravessando um período de grande dificuldade econômica e que não poderiam incluir tal benefício ou o pagamento da insalubridade nas prestações de contas com a Prefeitura. Nesse momento, a Ora. Simone informou que está sendo feito um trabalho pelo SINBFIR junto à SMADS, no sentido de se conseguir a inclusão na prestação de contas de referidas verbas (pagamento de benefícios e do adicional de Insalubridade), entretanto, ainda sem resposta efetiva da Secretaria. Foi ainda Informado pela Ora. Simone, que na pauta de reivindicações apresentada pelo Sitraemfa, tinham modificações das cláusulas já existentes e a assembleia decidiu por unanimidade que seriam mantidas TODAS as cláusulas da CCT anterior, qual seja, de 2016/2017, sem qualquer alteração. Nada mais a ser tratado, o Sr. Cassiano Ricardo encerrou os trabalhos da assembleia e para constar, lavrou-se a presente Ata, a qual depois de lida foi aprovada pelos presentes.

 

      Cassiano Ricardo Faedo Nabuco de Abreu                                                       Simone Cortez Bicudo Ferreira
                         Presidente                                                                                                          Advogada

 

 

Please reload